30 de julho de 2009 · Ciência 2009



EDUARDO ARANTES E OLIVEIRA

Considerando o excepcional contributo que o Prof. Doutor Eduardo Romano Arantes e Oliveira prestou ao desenvolvimento científico do País, como professor catedrático do Instituto Superior Técnico, director do Laboratório Nacional de Engenharia Civil e reitor da Universidade Técnica de Lisboa, mas também como presidente da Academia das Ciências de Lisboa e membro da Academia de Marrocos e das Academias da Engenharia portuguesa e brasileira; Considerando que, como independente, foi Secretário de Estado do Ensino Superior e Secretário de Estado responsável pela política científica, cargo que desempenhou então com coragem e visão exemplares: Determino que seja concedida a medalha de mérito científico (ouro) do Ministério da Ciência Tecnologia e Ensino Superior a Eduardo Romano Arantes e Oliveira, fazendo -lhe entrega do respectivo diploma.

JEAN‐PIERRE CONTZEN

Considerando o excepcional contributo que Jean-Pierre Contzen, engenheiro e físico nuclear de nacionalidade belga, professor universitário, responsável por projectos europeus no domínio nuclear e no domínio espacial, director de Política Científica e Tecnológica e ainda, durante mais de 10 anos, director-geral do Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia, presidente do Centro Internacional de Ciência e Tecnologia em Moscovo, presidente do Instituto Internacional von Karman de mecânica de fluidos e presidente do Instituto de Estudos Avançados da Universidade das Nações Unidas, prestou ao desenvolvimento científico e, particularmente, ao desenvolvimento científico em Portugal, enquanto professor catedrático convidado do IST e conselheiro especial do Governo Português, na área da ciência e da tecnologia, durante as presidências portuguesas do Conselho da União Europeia em 2000 e em 2008; Considerando que presidiu por duas vezes ao Comité Internacional de Avaliação e Reforma dos Laboratórios de Estado em Portugal e que a sua contribuição exemplar e continuada para o desenvolvimento científico e tecnológico português e para a Europa merece o nosso reconhecimento e aplauso.

OLGA MARTINHO

Licenciada em Matemática Aplicada e mestre em Estatística e Investigação Operacional, funcionária do quadro da Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica e, agora, da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, prestou ao desenvolvimento científico do País, nomeadamente na coordenação e gestão dos programas de bolsas da JNICT/FCT desde 1990 e na direcção deste departamento desde 1997; Considerando a extrema dedicação e competência com que exerceu estes cargos, ganhando o respeito dos seus superiores e dos seus colegas e a consideração de milhares de bolseiros que ao longo do tempo acompanhou, assegurando a regularidade de funcionamento e a eficiência do seu sistema de acompanhamento.



15 de setembro de 2009



HERWIG SCHOPPER

Considerando a excepcional carreira científica do Prof. Herwig F. Schopper, professor das Universidades de Karlsruhe e de Hamburgo, director do Centro de Investigação Nuclear de Karlsruhe, presidente do DESY em Hamburgo, director -geral do CERN de 1981 a 1988, presidente do Conselho Internacional do SESAME, presidente da Sociedade Europeia de Física, presidente do Conselho de Gestão do Projecto AUGER, membro do Conselho Consultivo do Projecto ALMA, presidente do conselho científico do Programa Internacional de Ciência Básica da UNESCO; Considerando que o Prof. Herwig Schopper desempenhou um papel fundamental no desenvolvimento da ciência em Portugal e na internacionalização científica do País: Enquanto director -geral do CERN a sua contribuição foi decisiva para o acordo de adesão de Portugal a essa organização científica internacional, subscrito em 1985, na sequência do primeiro acordo de cooperação científica entre o CERN e Portugal (INIC) de 1981 que também subscreveu; O seu papel no desenvolvimento das relações entre Portugal e o CERN, nos anos subsequentes, o seu envolvimento pessoal generoso enquanto responsável ou membro de sucessivos painéis de avaliação científica na área da Física, junto da FCT, a coordenação do Conselho Internacional de Acompanhamento do LIP ao longo de vários anos, e até ao presente, merecem todo o nosso reconhecimento: determino que seja concedida a medalha de mérito científico (ouro) do Ministério da Ciência Tecnologia e Ensino Superior a Herwig F. Schopper, fazendo-lhe a entrega do respectivo diploma.



17 de outubro de 2009



MARIA DE SOUSA

Considerando o excepcional contributo que a Prof.ª Doutora Maria de Sousa prestou ao desenvolvimento científico, no domínio da Imunologia, após o seu doutoramento em Londres (1971) com a definição de ecotaxis e as descobertas das relações entre o sistema imunológico e a toxicidade do ferro, com a criação do mestrado de Imunologia do ICBAS em 1985 e, em 1996, com a criação do Programa Doutoral em Biologia Básica, associando o ICBAS e as Faculdades de Medicina e de Engenharia da Universidade do Porto; Considerando a prestigiada actividade científica e académica desenvolvida em instituições internacionais de referência, desde o Cornell Medical College, a Direcção do Laboratório de Ecologia Celular do Sloan Kettering Cancer Research Institute, a Harvard Medical School, o Royal College of Pathologists e a European Molecular Biology Organization; Considerando ainda a excepcional contribuição da Prof.ª Maria de Sousa para a consolidação em Portugal de uma cultura de avaliação científica independente, designadamente junto da JNICT e da FCT.



30 de novembro de 2009



ARMANDO TRIGO DE ABREU

Armando Trigo de Abreu, engenheiro agrónomo, especialista em economia agrária, dedicou a sua vida profissional ao desenvolvimento científico em Portugal, assim como ao estudo e à acção a favor do desenvolvimento económico e social em países africanos. Especialista e professor universitário de Estudos Africanos, foi responsável pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento (IED), e contribuiu de forma decisiva para a formação de sucessivas gerações de quadros qualificados em países em vias de desenvolvimento. O seu papel como responsável pela comissão INVOTAN e pelo acompanhamento do comité científico da NATO marcou, ao longo de um período fundamental, a contribuição da NATO para o desenvolvimento científico em Portugal. Como primeiro presidente do Instituto de Cooperação Científica e Tecnológica Internacional (ICCTI), no âmbito do Ministério da Ciência e Tecnologia, contribuiu para elevar as relações científicas internacionais a níveis de exigência novos, e para o estabelecimento e reforço de redes de cooperação internacional à escala global. Em todas as suas importantes funções (foi ainda, em certo período, gestor do Programa Operacional para a Ciência e, ultimamente, chefe de gabinete do MCTES), Armando Trigo de Abreu distinguiu-se pela sua capacidade ímpar de juntar os esforços de todos em prol do objectivo fundamental de contribuir para o progresso científico e social.